Casos de violência contra políticos crescem 48,7% no Brasil

Por Josival Pereira

O radicalismo extremado que introduziu o discurso de ódio na política brasileira pode estar se voltando contra os próprios políticos.

Dados do Observatório da Violência Política e Eleitoral da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Unirio) apontam um crescimento de 48,7% nos casos de violência contra políticos no Brasil no 1º trimestre de 2022.

O levantamento leva em consideração os casos que são noticiados pelo Brasil contra políticos com mandatos, sem mandatos, candidatos, lideranças ligadas a partidos e servidores que ocupam cargos de natureza política.

Entram nas estatísticas “qualquer tipo de violência que tenha o objetivo de interferir na ação direta das lideranças”.

O Observatório registrou 113 episódios de violência: 52 casos de ameaças (46%), 21 homicídios (18,6%), 18 atentados (15,9%), 15 agressões (13,3%), 6 homicídios de familiares de políticos (5,3%) e 1 atentado contra familiar (0,9%).

Os casos de violência estão distribuídos em 23 Estados. O Rio de Janeiro lidera o ranking com 14 casos, seguido da Bahia (12), Pará (12) e São Paulo (11).

Apenas Amapá, Distrito Federal, Piauí e Santa Catarina não registraram episódios.

O coordenador do Observatório da Violência Política e Eleitoral, Felipe Borba, avalia que os episódios tendem a crescer em anos eleitorais, que é o caso de 2022.

Nada pior, na democracia, do que o diálogo, os debates e os argumentos sendo suprimidos pela violência, geralmente, fruto do radicalismo e do ódio.

Adicionar comentário

PUBLICIDADE
Blog do Josival Pereira © 2022 . Todos os direitos reservados.